Assine e não perca as atualizações... Inscreva-se
Clubes de assinatura Recebidos Vídeos

Testando Candy Lovers Club: guloseimas de fevereiro 


Candy Lovers Club fevereiro

Pensa num serviço que tem TUDO a ver com o TPM. Agora multiplica por 1000!

Pois é, receber uma caixa de guloseimas desconhecidas (and importadas) em casa pra testar e se deliciar é o sonho de todos os testadores de produtos (e não testadores também, né?).

Conheci a Candy Lovers Club há um tempinho pela internet, aí logo no começo desse ano eles entraram em contato comigo pra me enviar uma caixa teste e fazermos uma parceria.

Já contei todos os detalhes de como funciona o serviço nesse post AQUI! Quando terminar de ver os produtos dessa edição de fevereiro, vai lá conferir a edição anterior e entender detalhes sobre a empresa.

E olha, eu já tinha achado a caixa anterior linda, mas nessa eles se superaram mais ainda.

Então vamos lá porque tenho muita coisa pra contar!

O primeiro produto é o Goldfish Baked Cheddar – Pepperidge Farm – Origem: Estados Unidos

Candy Lovers Club caixa de fevereiro Goldfish

É um salgadinho em formato de peixe – diferente dos que já testamos do Japão, esse não tem cheiro nem gosto de peixe – lembra mais um biscoito cream cracker, quase sem tempero, com um sabor um pouco mais gostoso e de formato bem mais bonito.

Achei excelente pra petiscar e vem bastante na embalagem, então vai durar um monte. Detalhe pra embalagem maravilhosa, chama muita atenção.

O segundo é o Dairy Milk – Cadbury – Origem: Reino Unido

Candy Lovers Club caixa de fevereiro Dairy Milk

Chocolate ao leite é bom, mas os que derretem na boca merecem prêmio. O Dairy Milk é um chocolate que foi lançado em 1905 e mantém seu sucesso até então.

Nunca tinha experimentado nada da marca, mas pesquisando amei todas as embalagens e os diferentes formatos de chocolates. E claro, experimentando, deu uma vontade surreal de experimentar mais opções.

Como falei no comecinho, ele é um chocolate que derrete na boca, é bem docinho, mas ao começar a se desmanchar na boca vem a surpresa, pedacinhos de morango “quebrando” o doce e combinando os sabores.

Sério, explosão para o paladar! Vou procurar mais opções da marca por São Paulo e conto aqui se achar. Mas acredite, só por esse que recebi, faça o favor a você e se deixe sentir o sabor dele um dia se der de cara com um.

O  terceiro é o Sausalito Milk Chocolate Macadamia – Pepperidge Farm – Origem: Estados Unidos

Candy Lovers Club caixa de fevereiro Sausalito

Um pacote que super parece um pacote de polvilho, rs. Esse são cookies e é da mesma marca que o Goldfish (parece que esse formato de embalagem é característico da marca).

Amei a organização do produto no pacotinho, vêm em uma espécie de potinhos. Os Cookies são bem saborosos, têm generosas gotas de chocolate que derretem na boca e são bem molhadinhos, meu tipo preferido de cookie.

Por mim poderia vir 100 deles na embalagem, comeria 1 por dia e seria feliz!

Confira também: Testando a caixa do mês

Nosso quarto integrante da caixa é o Pralinés Sortidos – Delafaille – Origem: Bélgica

Candy Lovers Club caixa de fevereiro Delafaille

Uma marca que é bastante referência no Brasil quando se fala em chocolate suíço é a Lindt, que tem trufas, bombons e barras pra todos os gostos. E, de fato, chocolate suíço é famoso no mundo todo, por consistência, sabor e excelente qualidade.

Mas ao que parece, o chocolate belga não deixa nada a desejar se comparado ao suíço. E os Pralinés da Delafaille vieram me mostrar isso.

Aliás, pesquisando a história de chocolate belga, o praliné é uma das principais invenções de uma das primeiras fábricas de chocolate belga.

Basicamente, é um doce feito com alguma castanha envolvida em açúcar e cristalizada: ou seja, uma castanha carameliza. Já nas pralinês belgas, as castanhas são envolvidas em chocolate.

Além de linda a caixa com os bombons (ou pralinés), de sabor é cada um mais maravilhoso que o outro.

Meu preferido foi o que vinha com um creme de cereja, bem diferente o creme, suave e combinou demais com o chocolate. Todos são doces na medida!

Candy Lovers Club caixa de fevereiro Delafaille pralinés
eram 8 na caixa, mas só restaram 4 pra contar história rs

Achei a caixa excelente pra presentear e a marca possui outras caixas igualmente sofisticadas.

E o quinto e último participante é o Dark Creme Brûllé – E. Wedel – Origem: Polônia

Candy Lovers Club caixa de fevereiro E. Wedel

Pra finalizar a lista de chocolates (a caixa de fevereiro veio recheada deles), essa barra é outro caso à parte.

Chocolates amargos ou meio amargos nunca foram meus prediletos, mas venho aprendendo a apreciar é realmente tenho gostado das descobertas.

Claro que esse da E. Wedel é mais fácil de se jogar, porque ele vem recheado com creme brûllé, aí a mágica acontece! Uma mistura única ao chocolate, bem harmoniosa e que deu um toque bem forte de personalidade.

O creme brûllé tem o gosto do creme mesmo e o chocolate é amargo na medida. O que mais gostei é que não é nada doce, particularmente prefiro doces assim, pois não sinto gosto apenas de açúcar.

Bom, o que dizer dessa caixa não é mesmo? Sério, eu segurei até fazer o vídeo pro youtube pra abrir a caixa e ainda bem, porque ia ser tenso ver tudo isso e esperar pra gravar, rs.

Como eu amo defender o que vale a pena, o que é realmente bom, só posso dizer que os assinantes da Candy Lovers Club foram felizes no mês de fevereiro, porque a curadoria acertou em cheio.

E se fôssemos comprar todos esses produtos separadamente, sairia bem menos em conta, o Ébert fez várias pesquisas (e ele é ótimo com matemática hahaha).

Já estou curiosa pra ver se na edição de março ou abril vai ter algo relacionado à Páscoa.

Ainda tem curiosidade sobre cada um dos produtos?

O vídeo de unboxing está aqui abaixo. E se quiser saber mais informações ainda, visita o site da Candy Lovers (ps: não esteja com fome, porque lá tem “imagens fortes” de kits anteriores enviados pros assinantes, rs)

Me conta o que seria incrível ter aí pra chamar de seu dessa edição 🙂

Escrito Por

Como boa mineira que sou, gosto de uma prosa, de doce de leite, queijo, pão de queijo e de falar várias palavras no diminutivo. Mas vivendo em São Paulo, também aderi ao "meu", à pressa da cidade grande, às idas infinitas aos shoppings e à pizza de sexta-feira à noite.

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *